“Mulherada” indigna e as maneiras de amalgamar um gênero

Por Julianne Lam

Pensemos no termo, na palavra em si. Ela só existe porque há um conceito que necessita vir à tona, pertencer ao mundo das coisas reais – que, nomeadas, passam a ter seu lugar na prática e discursos humanos, e não mais na etérea abstração de coisas tão somente imaginárias e desconexas. Traduzindo em miúdos: damos nome às coisas que utilizamos e sobre as quais precisamos nos expressar. O motor de criação da palavra (e seu conceito) é a necessidade de categorizar e compartilhar materialidades e informações.

women-crowd

As primeiras considerações são o ponto de partida para trazer à luz, pela reflexão, um termo tão corriqueiro quanto depreciativo (na minha modestíssima opinião): “mulherada”. Servindo apenas para destacar o volume do agrupamento de mulheres a que se refere, é geralmente empregado em situações ligadas à representação machista de quantidade e tamanho do que se tem como objeto de desejo.

Na realidade, o problema maior não é a mera existência da palavra ou mesmo seu eventual uso. O que me chama atenção (por um aspecto negativo) é o fato de estar geralmente atrelada a situações e pessoas que se referem às mulheres como objetos pertencentes a um cenário de depreciação do gênero. Não é fácil imaginar uma frase não sexista que tenha a palavra “mulherada” sem uso de sátira ou ironia.

mannequin-3“Mulherada” camufla um posicionamento indigno sobre seu “alvo” e/ou, no mínimo, auxilia na construção de uma imagem: uma coletividade sem rosto, sobre a qual se apreendem apenas traços e tons esparsos, como em um amálgama disforme, mais ou menos homogeneizado, totalmente tosco e reificado (“coisificado”).

Raramente encontrei pessoas esclarecidas (moral e intelectualmente) que falassem sério se valendo do vocábulo “mulherada”. Não é de se admirar, afinal desvalorizar (ou massificar pessoas conceitualmente) não é atitude comum de gente de senso razoável. Desculpe-me, mas se você se considera alguém educado, moralmente aceitável e/ou de bom senso, deixe essa palavrinha de lado.

2 Comments (+add yours?)

  1. Michelle G.
    Jun 28, 2013 @ 11:39:09

    Minha cidade natal é conhecida conhecida como ”Mulherama” , já da para ter uma noção do tipo de homem que existe lá. E o pior as meninas aceitam e ainda gravam um video para piorar , hoje em dia a homens que visitam elas só para ”pegar” mulheres.

    Reply

  2. juliannelamjor
    Jun 28, 2013 @ 15:53:32

    Pois é, menina…acho o uso dessa palavra de gosto meio duvidoso. Dá pra conhecer a pessoa por esses detalhes que “entregam” a personalidade ou o caráter…

    Reply

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: